Polinizadores: os produtores por trás do seu copo de café

Abelhas, borboletas e outros polinizadores estão cade vez mais ameaçados pelas atividades humanas e os países devem transformar suas práticas agrícolas para garantir que a produção global de culturas possa atender à demanda e evitar perdas econômicas substanciais.

“Os polinizadores afetam todos nós. A comida que comemos, como frutas e legumes, nosso café e chocolate, todos contam com polinizadores. No entanto, os polinizadores estão enfrentando muitos desafios que vão desde a agricultura intensiva e pesticidas até mudanças climáticas que estão colocando muita pressão sobre eles “, disse Simon Potts, professor da University of Reading no Reino Unido, que é co-chair do relatório da IPBES sobre polinizadores que está sendo discutido em Cancún/México durante a 13ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), também conhecida como COP 13. “Há muitas soluções e políticas que os países podem adotar para proteger polinizadores, então a proposta aqui em Cancún é que os países tomem essas idéias e realmente as façam funcionar”, acrescentou.

De acordo com a avaliação global sobre os polinizadores da IPBES, 75% das nossas culturas alimentares e quase 90% das plantas selvagens dependem em certa medida da polinização animal, que é a transferência de pólen entre as partes masculina e feminina das flores para permitir a fertilização e reprodução. Além disso, o valor anual das culturas globais que dependem de polinizadores é estimado em US $ 577 bilhões. Sem polinizadores, culturas como o café, o cacau e as maçãs sofreriam drasticamente e as mudanças nos suprimentos globais poderiam aumentar os preços para os consumidores e reduzir os lucros para os produtores, resultando em uma potencial perda anual de benefícios econômicos de US$ 160 bilhões a US$ 191 bilhões.

Além dos alimentos, os polinizadores também contribuem diretamente para medicamentos, biocombustíveis, fibras como algodão e linho e materiais de construção. “Os serviços de polinização são um” insumo agrícola “que garantem a produção de culturas. Todos os agricultores, especialmente os agricultores familiares e os pequenos agricultores de todo o mundo, se beneficiam destes serviços “, afirmou José Graziano da Silva, Diretor-Geral da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura).

“A melhoria da densidade e da diversidade dos polinizadores tem um impacto positivo direto na produtividade das culturas  promovendo, consequentemente, a segurança alimentar e nutricional. Assim, melhorar os serviços de polinizadores é importante para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), bem como para ajudar a adaptação dos agricultores familiares às mudanças climáticas “. A maioria das espécies polinizadoras é selvagem, incluindo mais de 20.000 espécies de abelhas, algumas espécies de moscas, borboletas, mariposas, vespas, besouros, pássaros, morcegos e outros vertebrados. Atualmente, 16% dos polinizadores vertebrados e mais de 40% dos polinizadores invertebrados estão enfrentando a extinção global.

O relatório da IPBES, que foi lançado no início deste ano, oferece uma série de soluções para barrar o declínio dos polinizadores. Alguns deles incluem: a promoção de uma agricultura sustentável, a criação de uma maior diversidade de habitats polinizadores em paisagens agrícolas e urbanas, a rotação de culturas, o uso de conhecimentos locais indígenas e a diminuição do uso de pesticidas.

Reconhecendo que esta é uma questão urgente, 11 países europeus já anunciaram uma “Coligação da vontade” na COP13, que procura implementar estratégias nacionais de polinização, de acordo com o relatório da IPBES, e compartilhar novas abordagens, inovações e melhores práticas, bem como estabelecer novas parcerias para salvaguardar essas valiosas criaturas.

Traduzido do original: https://www.un.org/apps/news/printnews.asp?nid=55734

Para saber mais sobre a COP13: https://www.cbd.int/cop/