PARCERIAS BIOTA

NWO – Restauração de Ecossistemas

BIOTA FAPESP - Parceiros - NWO

O Desafio de Bonn exige a restauração de 150 milhões de hectares de terra desmatada e degradada em 2020 e 350 milhões até 2030. É também um desafio científico prover diretrizes baseadas em conhecimento para a restauração duradoura dos ecossistemas e dos serviços que eles fornecem. 

Tal desafio não se limita a um país ou região específica; trata-se de uma questão mundial que deve ser abordada em cooperação, reunindo diferentes países, institutos de pesquisa e organizações públicas e privadas.

NewFor – Compreendendo florestas restauradas para o benefício das pessoas e da natureza

O NewFor que tem como missão compreender as florestas restauradas para o benefício da natureza e das pessoas. O objetivo do projeto é avaliar a multifuncionalidade de diferentes tipos de florestas presentes no estado de São Paulo, dando apoio à restauração florestal em larga escala. Nossos resultados irão apoiar tanto orientações para uma restauração efetiva e orientada por objetivos, como também visões alternativas de desenvolvimento baseadas na compreensão de sinergias e trade-offs entre as várias funções das paisagens e, assim, da sustentabilidade futura da Mata Atlântica.

Esalq/USP & Wageningen University

ReSeed – A contribuição das interações animal-planta para a biodiversidade e restauração de ecossistemas na Mata Atlântica

Em todo o mundo, as florestas estão diminuindo rapidamente devido à conversão antropogênica no uso e cobertura da terra. Simultaneamente, a recuperação florestal em paisagens modificadas pelo homem tem levado a um aumento de florestas secundárias, com o potencial de mitigar a perda de biodiversidade e fornecer importantes serviços ecossistêmicos. O projeto aborda as complexas interações entre plantas e animais que permitem o funcionamento do ecossistema e o fornecimento de serviços ecossistêmicos, como o sequestro de carbono. E tem como objetivo identificar áreas da região da Mata Atlântica mais adequadas para a regeneração natural e desenvolver diretrizes de restauração para estimular interações planta-frugívoro que promovam a biodiversidade e o sequestro de carbono.

IB/UNESP Rio Claro & Utrecht University

em breve

em breve

BioFor – Aplicação da abordagem biotic soil legacy com foco nas interações positivas-negativas da biota na restauração florestal por feedbacks das comunidades de solo e planta

As plantas e os solos estão em constante interação, e os efeitos observados para todos os processos físicos, químicos e biológicos que contribuem para essas interações resultam em um chamado “planta-solo feedback” que é conhecido por ser crítico para a restauração das comunidades originais de plantas e das propriedades do ecossistema. Nosso objetivo é investigar como as reações entre plantas e solo operam na Mata Atlântica primária e secundária (em regeneração), e como as reações em áreas atualmente desmatadas podem influenciar as oportunidades de restauração bem-sucedida da diversidade original de espécies arbóreas e do funcionamento do ecossistema florestal. Dados sobre áreas perturbadas com oportunidades menos ou mais adequadas para possibilitar interações planta-solo para espécies de plantas florestais / espécies de árvores nos permitirão obter informações para um plano adequado para melhorar e acelerar os programas de restauração da Mata Atlântica.

CENA/USP & Royal Netherlands Academy of Arts and Sciences

em breve

em breve

GoFor – Governança da transição florestal na Mata Atlântica: aumentando nosso conhecimento sobre a recuperação florestal e os serviços ecossistêmicos

O declínio histórico das florestas da Mata Atlântica recentemente se inverteu, transformando-se em um modesto aumento das áreas florestadas. Este incremento é largamente baseado em ações voluntárias, o que representa um grande desafio para as metas de políticas públicas de reflorestamento, uma vez que as áreas de boa produtividade agrícolas têm um forte efeito sobre os preços das terras. Em uma abordagem de paisagem, a governança dos serviços ecossistêmicos requer a criação de regras compartilhadas entre os atores da paisagem que resultem em um uso justo e sustentável dos recursos naturais. A fim de aprimorar a eficácia das estratégias de restauração, deve ser criado um ambiente político favorável para pagamentos de serviços ecossistêmicos, que será estudado em detalhe neste projeto. O projeto abordará os sistemas socioecológicos que impulsionam a mudança florestal e a distribuição espacial dos serviços ecossistêmicos na paisagem. Ademais, será avaliado o ambiente político que facilitaria o desenvolvimento de potenciais incentivos para a restauração florestal.

UFSCar/Lago do Sino & Utrecht University

em breve