Ecologia Química em luto

Por Mariana Stanton e André Victor Lucci Freitas

 

No fim de novembro deste ano, José Roberto Trigo, Professor do Departamento de Biologia Animal do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) faleceu aos 61 anos. O Professor Trigo certamente será lembrado por muitos como uma referência em Ecologia Química no Brasil, área que trata do estudo de como compostos químicos, os chamados produtos naturais ou metabólitos secundários, intermediam interações entre organismos vivos.

Formou-se em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, indo buscar seu mestrado em Ecologia na Universidade Estadual de Campinas (1988) sob orientação do Professor Keith S. Brown Jr., um dos pioneiros na área de ecologia química no Brasil. Seu mestrado versou sobre ecologia química de borboletas da tribo Ithomiini (Nymphalidae) e de suas plantas hospedeiras da família Apocynaceae. Essa experiência foi decisiva para sua escolha de obter seu doutorado em Química, defendido em 1993 sob orientação do Professor Lauro E. S. Barata, também na Universidade Estadual de Campinas. Em 1996, realizou um pós-doutorado na Technische Universität Braunschweig, na Alemanha, no laboratório do Professor Thomas Hartmann. No doutorado e pós-doutorado ele aprofundou seus estudos de alcaloides pirrolizidínicos em borboletas Ithomiini, que se tornaria uma de suas principais linhas de pesquisa nos anos seguintes.

Diversos trabalhos resultantes dessa linha de pesquisa se tornaram referência internacional no estudo de alcaloides pirrolizidínicos e das funções desempenhadas por esses compostos nas interações entre plantas, insetos herbívoros e seus inimigos naturais. Em 1997, retornou à Universidade Estadual de Campinas contratado como Professor Associado, tendo obtido a livre docência em 2003. O Prof. Trigo foi parte integrante do corpo docente do Programa de Pós-graduação em Ecologia da Unicamp, sendo coordenador do referido programa e membro da comissão por muitos anos.

(c) Laboratório de Ecologia Química IB/Unicamp

Ao longo dos anos, sua linha de pesquisa se expandiu para o estudo do papel de compostos químicos produzidos por uma variedade de plantas hospedeiras e como esses compostos servem de intermediários nas interações dessas plantas com insetos herbívoros associados a elas e os inimigos naturais desses insetos, sempre com um interesse em estudar a história natural e evolução de sistemas planta-inseto nativos do Brasil em seus ambientes naturais, como a Mata Atlântica e o Cerrado. Dessa forma, Trigo tornou-se um dos maiores especialistas no Brasil em defesas químicas de Lepidoptera (borboletas e mariposas) contra seus predadores e parasitoides. Através do ensino em cursos de graduação e Pós-graduação e de orientações de alunos tanto no nível de graduação como de pós-graduação, ele contribuiu para a disseminação da pesquisa na área de Ecologia Química no país.

Certamente o Prof. Trigo será lembrado por muitos como um pesquisador dedicado e um professor rigoroso tanto com relação às suas exigências com os alunos quanto com relação à uma abordagem experimental correta para responder perguntas de história natural e para entender o papel ecológico e evolutivo de produtos naturais.

 

Mariana Stanton foi aluna do Prof. Trigo (Iniciação Científica e Mestrado) entre 2004 e 2008. Atualmente é pós-doutoranda no Instituto de Química da USP/SP, no Departamento de Química Fundamental (Laboratório de Química de Produtos Naturais). 

André Victor Lucci Freitas,  é membro da Coordenação do Programa Biota/Fapesp, Professor Titular e Chefe do Departamento de Biologia Animal da Universidade Estadual de Campinas.